17 fevereiro 2010

Que preguiça...

Quarta-feira de cinzas. As aulas só começam na quinta. Meu filho mais velho, pré adolescente, fã da saga Percy Jackson, me arrasta para o cinema para assistirmos juntos ao Ladrão de Raios. Juro que tentei mas não consegui terminar de ler o livro a tempo. Acho que foi bom, pois achei o filme legal. Ele, por sua vez, achou que faltou vários pontos importantes. A maior reclamação, que parece ser coro entre todos os fãs dos livros, é que nas telas a mocinha está mais para castanha escura e no livro ela é loira. Mas o que fez o garoto rir a beça foi quando eu disse que o ator que faz o papel do centauro Quírian já ter sido 007 (estamos aqui falando do Pierce Brosnan)... Santa decadência Batman!
Mas o título do post tem a ver com uma preguiça que tem chamado a minha atenção ultimamente. A preguiça da leitura. Tenho pavor a filmes dublados. Posso não dominar 100% o inglês, mas ouvir a as vozes toscas que colocam nas dublagens faz meu estômago revivrar. O Ladrão de Raios é um filme com censura 12 anos e entre todos os cinemas que estão exibindo a "fita" o único que tem uma cópia legendada é o cinema do shopping Estação. 
Estamos na fila esperando para comprar o ingresso para a sessão das 13:20. Eram 12:45. Na nossa frente três meninas de uns 13, 14 anos que também iam ver o filme. A discussão era: vamos ver a sessão das 13:20, legendada, ou das 14:20 dublada. Ganhou a das 14:20. Motivo? Preguiça de ler as legendas. Juro. As três disseram em alto e bom som que ler legenda dava uma preguiça danada, elas passavam muito rápido, era difícil de acompanhar....
Fiquei pasma!
No final de semana uma conhecida me perguntou o que eu fiz para meu filho (já com quase 11 anos) ser um leitor aficcionado, sempre ter um livro por perto. Ela disse que já tentou tudo com o filho, que só o levaria ao jogo de futebol se ele lesse determinado livro, enfim, algo que desse ânimo, e nada.
Não sei o que fiz pelo meu filho. O que lembro é que ele queria ver o Harry Potter e o Enigma do Príncipe e sugeri a ele que lesse o livro, pois as críticas diziam que quem não havia lido o livro não entenderia nada do filme (eu mesma já havia lido os sete livros da saga). Ele não só leu o seis, como pediu o sete, e a partir daí não parou mais. Sempre tem um livro a mão.
Não. Ele não lê Machado de Assis. Mas tenho a certeza que um dia ele chegará lá por sua própria vontade e curiosidade. Quem sabe um dia esse excesso de leitura seja um grande diferencial na vida dele, um treino contra a preguiça...

Um comentário:

carolina bruna disse...

Concordo com você em vários pontos, principalmente que leitura é muito importante e trará muitos benefícios ao seu filho, mas num vejo nada demais em filmes dublados, uma vez quando eu assistia um filme legendado, em varios momentos eu perdia a leitura porque a legenda era branca e quando a cena tinha um fundo claro a legenda sumia...
vai do humor de cada um no dia do cinema.
Também assisto com legenda pois gosto de assimilar o que é dito com o que é traduzido, mas depende do meu humor, afinal tem dias que eu acordo e quero uma salada e outros uma lasanha...
sei lá... hahaha